Archive for the ‘bar’ Category

Sotaque

14dez15

quão rápido eu puder te alcançar, nesse nosso jeito de ir sem correntes na eterna calmaria que veio depois; você me culpa por essa mania de te fazer rir e eu te digo que não caibo em mim, e é tua culpa também, essa saudade que já vem logo depois; tava escrevendo seu nome na […]


trabalho #2

28jul14

ele entra diz que o troco tá errado eu conto reconto. deu 39,87. ele me deu 50. eu volto 10,15. digo: está certo. certo como? tá certo, ué. certo como? você quer me roubar? pego a moeda de 5 centavos. dou uma de 10. ok, agora tá certo. roubar para vocês, tudo bem? agora, se […]


agora você abre os olhos e diz bom dia. levanta, escolhe as roupas escova os dentes cospe sangue na pia odeia a ideia de ter que trabalhar e acha que a vida vai ser melhor quando puder fazer o que gosta em tempo integral mas se lembra que sobrou um tempo na semana passada e […]


trabalho #1

23abr14

outra pessoa. entra, senta. minha cabeça tá cansada eu tenho ficado cansado demais. quase como uma quase vida. a saudade guardada no bolso. como se eu tivesse te conhecido minha vida toda. o quão imbecil eu devo ser, por ter salvo suas fotos no meu computador? entre uma dor de cabeça e outra eu me […]


Primeiro você tem que colocar essas coisas em ordem dentro da sua cabeça e aceitar que boa parte do que acontece é culpa sua e só sua.  Sua vida, seu trabalho, seu carro seu cabelo, sua escova de dente. É sobre o que você aceita, a sua permissão, a sua identidade. De homens e ratos […]


Aquela noite demorou tanto tempo, que quando acordamos a cidade não estava mais no mesmo lugar. Então olhamos ao redor e não existia mais nada além de areia e vento. Foi como se tivéssemos dormido por uns três mil anos sem parar e nada nos acontecesse. Foi quase como ser infinito sem precisar sair da […]


Gaiman #1

24jan14

Ele só queria. Ele só queria alguém que se importasse com ele. Alguém que lhe desse um abraço Alguém que lhe aquecesse. Ninguém queria. Quando eu te abraço no escuro, o escuro não vai embora. Coisas ruins ainda continuam a existir lá fora. Os pesadelos ainda caminham. Quando te abraço não é mais seguro. Mas é […]