A Terra inteira

05set16

ficava em silêncio depois de cada despedida,
por vergonha ou descuido, deixava que o ‘eu te amo’ morresse na garganta.
não que não amasse, por favor não entenda assim,
perdoa o desmazelo e a falta de jeito,
o problema com datas, a fome na madrugada.
tem tropeçado por aí assim, 
entre poemas, sessões de filme francês e a vontade de te ver.

como se colocasse tudo dentro de uma garrafa
todos os dias, todos os livros, todos os sorrisos e olhares do outro lado da sala
e tomasse de uma vez só, tudo comprimido assim
pra ter você em toda parte, na terra inteira, em toda bagunça
em todo canto – por menor que fosse – da casa.

fosse mar entre cada passo, fosse vento pra aproximar
pé ante pé decora o corredor até o seu quarto,
reconhecendo o açúcar entre os vãos do piso
e raspando o chocolate do fundo da panela,
e acordando mais cedo pra te ver chegar.

Anúncios


No Responses Yet to “A Terra inteira”

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: