as pazes com o relógio

19fev16

Disse o relógio que não via o tempo passar,
sobre as horas conversávamos até tarde
falando da nossa sorte de viver pra sempre.
Sentia o tempo apenas pelas folhas que caem das árvores
ou pela poeira que cobria os móveis quando a chuva teimava em não aparecer.
Na verdade ele disse que não tinha mais tempo,
nem pra ver o sol nem pra ver as horas
disse que passar tão depressa era tão desgastante
que parecia um incessante roer de unhas.
Disse também, o relógio, que sorte era a minha
que podia morrer de amores e em dias assim
nem sentir o tempo passar. 
Disse que uma vez se apaixonou pelo tempo,
mas que eles nunca se cruzaram realmente,
que habitavam praticamente o mesmo plano
mas existiam apenas de forma paralela.
E que tal tristeza era essa, que quando nos apaixonamos
o tempo passa ainda mais depressa!
Disse o relógio que não via mais o tempo passar,
apenas fechava os olhos enquanto girava,
sobre as horas conversávamos até tarde
e eu fiz uma proposta, espero que ele aceite,
de parar o tempo quando eu te encontrar,
para os dois também, finalmente poderem de se olhar. 

Anúncios


No Responses Yet to “as pazes com o relógio”

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: