Archive for novembro, 2015

Cobertor

26nov15

ela se espreguiçava tão lentamente que sentia o sono se aconchegar até nas pontas dos dedos. marcava a página do livro, para beber um gole de café, e demorou o olhar um segundinho a mais nos desenhos que o sol fazia parede. era final novembro. as chuvas de novembro lavaram tudo e agora passeava com um […]


Transbordar

23nov15

Queria ir além de onde desse pé, tava cansando de ter medo de se afogar. Não precisava aprender a nadar de braçadas, só mergulhar já estava bom.  Por isso, quando olhou para ela, era mais do que um convite era mais como um pedido, que dizia tipo: se eu for mais fundo, você comigo? Se […]


Se você me levar pra sair, se aceitar me tirar daqui, não vamos ouvir nada do que eles tenham pra dizer, é uma promessa, se me tirar pra dançar, se me deixar pagar o nosso jantar, eu falo sobre essa saudade, sobre o quanto eu gosto da sua voz sobre o quanto você fica bonita […]


Colapso

17nov15

Estávamos todos em pânico, primeiro eu lembrei do 11 de setembro, que eu estava na escola e minha professora voltou do recreio em choque era professora de inglês e português, tinha passado uns dias nos Estados Unidos, tinha foto nas torres gêmeas. Explicou o que tinha acontecido didaticamente, eu só entendi que alguém tinha jogado […]


É só uma coisa que eu pensei agora, enquanto via imagens do filme “O Artista”. Pensava nas cores e na ausência delas. Sobre o quanto a gente preenche tudo, quando na verdade é só preto e branco. Presta atenção: o vestido dela parece azul, e o carro com certeza é vermelho, as cores das manchas […]


Plano

10nov15

e se a gente desaparecer? no meio da fumaça num carro voador entre as 12 badaladas e sem qualquer rumo ou expectativa, só desaparecer. encontrar algum canto aonde você possa ver o mar, e dançar de olhos fechados até o sol nascer, a gente trabalha aonde der deixando a vida nos fotografar de longe, ninguém […]


Filme antigo

04nov15

era necessário entender que o amor tinha tempo que por lei do universo, as coisas que se atropelam acabam trombando e se cansando mais depressa, então revisitava cada olhar como um filme antigo daqueles que ganham sabor a cada nova vez que você assistir. passava assim todas as tardes relembrando os gestos, os beijos a forma […]