Archive for junho, 2015

Ela me viu

30jun15

Eu me lembro dos olhos castanhos, que me tinham quando queriam. Acho engraçado, que as músicas sempre falavam de olhos azuis ou verdes, mas que bobagem, porque o que me conquistou mesmo, foi um bonito olho castanho. Quando ela me observava parecia que não apenas me via, minhas roupas, minha pele, meu rosto. Ela me atravessava, rasgava minhas roupas, […]


se me deixasse viver em sua pele eu ficaria imóvel, gravado como uma tatuagem no seu ombro direito próximo do pescoço ou aquela bem pequena, que você quer fazer no tornozelo eu seria um desenho bonito se me deixasse viver em sua pele e não faria barulho,  na verdade, eu só queria mesmo saber como é […]


Repousar

23jun15

se procurar vou repousar meu amor te procurar seu abraço protetor de quando vem me alcançar abro o peito a te esperar nesse mundo sofredor e ninguém vai nos salvar se a gente escolher só viver viver por amar. se procurar vou repousar meu amor até você chegar


CÉU

19jun15

chove quando frio bagunça quando falta procuro abraço quando saudade acorda madrugada silêncio cobertor quando voz distância chamar amor amor aqui perto espaço beijo aconchego sono chocolate coxinha vermelho quando próximo noite deitar ficar bem enfim


olha esse sorriso, parece que meu estômago foi trocado por uma borboleta posso te sentir chegar, devagar, e o céu – tão azul – não me deixa mentir: hoje é dia de te ver. digo três vezes, para ter certeza que não contei errado: dia de te ver dia de te ver dia de te […]


– esse não é um daqueles post’s motivacionais, juro. É baseado na bagunça da minha cabeça nesse pouco mais de um ano com a bailarina mais bonita do mundo – Namore uma garota que dance, simplesmente por ela não conseguir – e nem querer – parar de dançar. Namore uma garota que, ao andar pela […]


eu tinha pressa e não acalmava nem por reza que os ventos todos fossem a meu favor e que toda hora fosse urgente,  que esteja lá agora antes que eu mesmo passe e decida ir embora. até que dia desses me distrai enquanto seus braços descansavam em meu ombro e a viagem lenta dos seus […]