Sobre reis e cebolas que fazem a gente chorar (ainda bem que nem gosto delas)

31out14

Um dia eu vou acordar rei.
Porque eu tenho essa teoria de que cada dia a gente pode acordar uma coisa.
E, vamos supor que hoje eu tenha acordado e seja rei.

Então eu vou correndo te procurar, porque eu sou rei por hoje e meu deus, você precisa acordar!
Mas não, hoje eu sou rei e meu primeiro decreto é que você pode dormir até a hora que bem entender.

Deixa que eu lavo a louça e preparo um café.

Porque, já que sou rei, decidi escolher o país que vou comandar. 
E por favor, quem comandaria a Inglaterra quando tem o seu mundo todo pra ficar de olho?
Então já está decidido, eu governaria o mundo que você rabiscou por nós dois.

Então no dia em que eu for rei vou decretar que nuvens venham chuviscar ao seu redor. 
Lavando o quintal e te fazendo sorrir ao acordar,
dar uma espreguiçada e pensar: ok, mais 2 minutinhos.
Vou fazer caminhos de chocolate pela casa.
Só com os seus favoritos.
E assim, quando você acordar, pé ante pé, vai seguir um caminho que eu fiz do seu quarto até a mesa da cozinha.

No dia em que eu for rei, os ônibus vão chegar na hora exata de 5 minutos atrasado, 
pra você não ter perigo de perder nenhum deles!
E a sua blusa favorita vai estar em cima da cama junto com as meias mais quentinhas.

O vizinho não vai ouvir aquelas músicas horríveis de sempre – se não será rapidamente degolado – 
mas o mundo todo vai soar com o vento aquelas músicas mais sorridentes
que te fazem querer dançar.

Quando eu for rei vou te dar um beijinho antes de você sair.

Farei decretos importantes como: não maltrate os animais, ame quem você quiser e seja feliz. Ser feliz é importante. Vai estar escrito na nossa bandeira, em letras bonitas e bem colorido: felicidade. 

Assim.

E vou estar lá quando você chegar.

Com flores e doces e sorvetes e mais chocolates. Um banho quente. E uma coroa pra eu colocar na sua cabeça. 
Porque, na verdade, eu só sou rei de qualquer coisa, porque antes de mais nada, você é a rainha.

E que daqui por diante, mesmo quando eu deixar de ser rei, viveremos por sorrisos.
Só choraremos por cebolas e só de vez em quando, porque eu nem gosto muito delas mesmo.
Brigaremos só pra ter mais amor depois e vamos na praça ver um bucado de estrelas e cantar Chico bem baixinho, só pra gente ouvir, como um segredo bonito que é melhor nem contar pra ninguém.
Deixa, que é nosso.

O dia em que eu acordar rei, vou ser também seu bobo da corte,
seu cozinheiro, seu namorado. 

E vai acabar depressa, como todos os dias mais legais parecem correr até o final.

Mas vai recomeçar cedinho depois e nem vou ligar em não ser mais rei.
Porque o mundo todo ainda vai existir e você não vai ter mudado nadinha, juro
ainda vai ser a princesa de todo o meu mundo.

Anúncios


No Responses Yet to “Sobre reis e cebolas que fazem a gente chorar (ainda bem que nem gosto delas)”

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: