DANCE OF DAYS

15set13

Depois de ter sido acordado por um lagarto dentro da minha casa – sim, isso é de verdade, a mayzinha me acordou porque um lagarto de uns 3 metros (juro!) tinha entrado na sala e ficamos uns 40 minutos até conseguir tirar ele da sala – resolvi que era hora de me dar por acordado e escrever sobre minha noite de sexta-feira. Que foi talvez a melhor desses últimos meses! 

Como vocês já devem ter entendido pelo título, eu finalmente fui no show do dance of days! *—-*
E caralho!!!!!! 

O Nenê Altro compôs a trilha a sonora da minha adolescência, muito do que eu sou hoje e da forma como eu penso, se deve pelas músicas e pelas letras desse cara, então eu me odiava muito por já ter perdido uns 2 show’s deles em são carlos. Mas, quando minha prima linda me mandou no facebook que eles estariam em Bauru, eu não tinha como perder!

Tentamos fazer uma van, mas essa merda sempre é dificil em Brotas, então fomos de carro mesmo – eu, two dee, teago, tiago e a japa. E o JACK PUB, só iria abrir as 23h, mas resolvemos chegar bem mais cedo, pra não termos problemas com ingressos. E foi uma coisa ótima de se fazer, porque chegamos umas 22h, compramos coisas no posto de gasolina ali do lado, e quando fomos pra frente do jack, lá estavam os caras do dance of days! 
Tava tudo fechado, e eles também chegaram cedo demais. Então conversamos um pouco com o Fausto (que disse que já veio 2 vezes pra brotas) e com o Marcelo, tiramos fotos que depois eu preciso pegar com o Teago e só aí já achei que valeu o rolê, porque eles são bem legais mesmo.

Esperamos mais um pouco por lá, até que chegaram os donos e abriram e começou aquele esquema de sempre no Jack, as pessoas entram com calma, de 2 em 2, e eles deixam tocando umas músicas legais. 
O Two Dee nunca tinha ido e pirou demais! Nos quadros na parede, no ambiente, é realmente um lugar muito legal! Se eu morasse em Bauru ainda, o Jack seria praticamente minha casa, certeza.

Enfim, a casa foi enchendo aos poucos e a primeira banda foi tocar. Chamava Recusa, era um power trio, bem legal, bem pesado e todas as músicas tinham um certo cunho político. E parece que já tem 11 anos de banda e estão acreditando na cena e na correria ainda. Assim é bacana! (:

Aí, nessa troca de palco entre uma banda e outra, o Nenê saiu do camarim com a namorada, e eu e o teago fomos conversar com ele, falamos parabéns, feliz aniversário e tiramos umas foto. E ele foi bem legal. Acho bacana quando o cara não tem frescura com essas coisas e nem se acha o fodão.

Depois foi outra banda, mas de são carlos, chamava Gagged e era bem legal também. E o vocalista tinha uma presença de palco fudida…
Então, quando acabou esse show, eu me segurei nos ferros na frente do palco e pronto! Meu lugar era ali, de frente pro Nenê. 
O Samuel começou a arrumar as coisas da bateria e o Marcelo entrou com a guitarra e logo depois o Nenê, colocou o set list no chão, arrumou os fios do microfone, por último subiu o Fausto. 
A galera já começou a se concentrar na frente do palco, antes não parecia ter muita gente, mas agora eu via que tava bem cheio mesmo. O dj abaixou a música e o Nenê começou se apresentar, daquele jeito de sempre: boa noite, nós somos o Dance of days. 
Aí o Fausto já entrou no meio e disse: galera, hoje é aniversário do Nenê, vamos cantar parabéns…
Então eu já comecei: parabéns pra você… E toda galera cantou e o Nenê deu um sorriso enorme e ficou envergonhado. 
Ele agradeceu algumas vezes e então… Cacete. Começou.

 

1185449_484604118313692_459006638_n
A primeira música já me fez quase morrer. Toda a galera começou a se empurrar e fazer bate cabeça e eu fui empurrado e quase caí em cima do palco, mas me segurei e berrei e cantei que nem doido. Porque essa música foi feita pra ser cantada assim, com todas as forças! E eu nunca iria imaginar que ele fosse começar o show com INTERLÚDIO PARA UM BAR DE ESTRADA (POR 33 ANOS FORA DO MAPA) – velho, antes eu queria muito fazer uma tatuagem sobre essa música, acho que todo mundo que já amou dance of days de verdade, já quis fazer algo desse som. E a galera pulava e se batia e eu me arrepiei e gritei ‘que se foda amor, que se foda, se a palavra suja não rima. Que se foda amor, que se foda! Pecado é não viver a vida!” 
E aquele final, esquece tudo e vem que a vida é assim. Se a gente deixar de viver, não vai dar tempo de sorrir… Eu não pensei que eles fossem tocar essa música, mas tocaram e eu amei pra caralho, ela foi minha favorita por uns bons anos. 

Depois disso já resolveram fuder com a galera no começo. ADEUS SOFIA. Eu não sei escrever aqui o quanto essa música existe na minha cabeça. E eu olhei pro lado, bem no final da música, na parte da Fernanda Takai, e a uma menina tava morrendo de tanto chorar e acho que finalmente entendi essa parte. Sabe? ‘Que morrer em seus braços, seria meu prazer e viver em mil pedaços, seria tudo pra mim’. E ela chorava e o povo pulava e gritava e… Não sei, cacete. Depois ainda foi COM VOCÊ NÃO VOU TER MEDO. E essa música foi uma das que fez eu gostar mais do dance of days, quando lançaram o ‘insônia’ em 2008 esse som não saia de todas aquelas coletâneas de músicas que eu fazia pra ouvir no disc-man. E eu amo aquela frase assim: diz se não é tão adolescente manter tuas cartas em papel de presente, querer guardar assim comigo tudo o que ficou em algum mundo perdido. 

E então a CORONA AUSTRALIS despencou do céu, os bares fecham e é tudo tão vazio. Outro bate cabeça enorme atrás de mim, eu tomando murro, empurrão, mas todo mundo tentava segurar ali grade e eu não ia soltar nem a pau. E naquele final você abre os braços e canta lá lá lá no céu radiante, vou vou vou voar sem destino, vou brilhar em chamas no espaço e acordar todos os vizinhos! Essa música me faz um bem danado.
Aí eles pararam um pouco, um cara começou a gritar ‘toca Suburbia’! – e eu gritei junto, eu amo suburbia. Aí o Nenê disse: essa música é um pouco velha. E eu morri. 
No carro indo pra bauru, estavamos conversando sobre o que eles poderiam tocar. E entre todas as músicas que eu mais gosto, essa foi uma que eu pensei que eles nunca iriam tocar, que nunca devem ter tocado por aí. Fico feliz de ter errado. ACHO QUE É A SUA VEZ DE JOGAR. Percebi que tinha muita gente que não sabia cantar, mas quem sabia, cantava com o coração e o olho enchia de lágrima. Como foi comigo. Ainda mais no refrão, que eu já não sei se restou algo no ar, já não sei há algo mais a perder… Quem me dera teus olhos pudessem ver por trás dos meus, agora que nossos mundos estão tão distantes mesmo perto de ti. Por mais que estenda meus braços não mais posso te tocar, não mais sou capaz. E nossa. Caralho. 

Então o nenê puxou: ‘hoje deixei escapar seu nome sem perceber’… A galera começou a pular tudo de novo. LINDA, A DOR NÃO É TÃO GLAMOUROSA ASSIM AFINAL. E naquele final que o nenê repete que é tão fútil dizer ser incerto, ele abaixou o microfone pra mim e surgiu umas 4 cabeças do meu lado e todo mundo berrou: SE EU SEI BEM O QUE EU MAIS QUERO!

Depois o nenê disse: essa música agora, é do álbum ‘a história não tem fim’. E ela é contra a homofobia. SE ESSAS PAREDES FALASSEM. Foi destruidora, e a galera subia no palco e pulava pra baixo (não que o palco fosse alto, ou que tivesse muito espaço pra eles pularem, na verdade, subiam no palco e se jogavam e praticamente caiam no chão, mas essa galera é foda mesmo). E então, uma das que eu mais queria ouvir, essa música é praticamente um hino, já fiquei ouvindo ela sem parar, pra tentar entender e absorver tudo o que ele diz em cada frase. A VALSA DAS ÁGUAS VIVAS. 

E então, outra das que me fizeram amar dance of days. ESSA MÚSICA ME DIZ TANTO QUE EU NEM SEI COMO NÃO TEM O MEU NOME. E eu acho que essa música diz muito pra todo mundo que gosta da banda. Ela é muito sobre cada um de nós, sobre todas essas criaturas estranhas de solidão tamanha, que sempre tem que estar perto de alguém pra conseguir ficar bem. 
Ah, e lembrei agora de uma coisa que eu queria falar. A namorada do Nenê fica na beira do palco e sempre quando é algum trecho mais fofo da música, ou mais bonito, ele olha pra ela e sorri. Aquela cara de bobo apaixonado. É engraçado e bonito de ver. E ela fica ali e canta todas as músicas. É bem bonito mesmo.

Ah, se ser feliz ainda me fosse objeto de paz… LÍRIOS AOS ANJOS. E talvez eu precise (mesmo) bem mais do que um sorriso incapaz de me prender atenção. Mas foi tão bonito estarmos sentados aqui, sem dizer nada… E de novo, na parte de gritar, ele abaixou o microfone, e todo mundo pulou por cima, pra berrar junto. 
AO QUE É BOM NESSA VIDA é um som de lavar a alma. É simples e bonita. Adoro essa letra, adoro a paz que ela me trás. Principalmente aquilo do ‘tem um lugar em mim que é só teu e nada vai mudar porque é meu. Mesmo que a gente deixe errado o que a gente escolheu..’ Acho uma música bem resolvida, sobre estarmos em paz com algumas coisas que geralmente deixam a gente em pânico. E já é dia de deixar pra trás a dor e o tanto faz…

156858_484604021647035_1602940491_n
E então, começou aquele toque… E eu fechei os olhos e deixei o povo se matar ali atrás, a menina do lado chorava igual retardada e o mundo acabou. Juro! ME LEVE ÀS ESTRELAS sem pensar que amanhã tudo pode mudar!!! E meu olho encheu de lágrima outra vez e eu berrei – com a voz inexistente que me restava –  e foi do caralho! Foi foda mesmo! Eu não tenho o que mais falar.

Outra super inesperada CEM MIL BOLAS DE NEVE, com direito a um final aonde o nenê fala coisas sobre a política e o governo desse nosso querido país. Eu gosto muito dessa música. E fiquei feliz de ver o quanto o povo gostava também (:
E então outra que eu tanto amo. ‘Porque me assusta tanto não ter histórias pra te ouvir contar’. CAULFIELD. E sua letra mega bonita, que me diz tanto. Por toda pessoa que já quis ser Holden Caulfield, essa música é muito boa!

Numa das bandas de abertura tocava um antigo integrante do dance of days, e nesse hora o nenê chamou ele pra fazer um som no baixo… E começou outra das que eu mais gostei na vida… BALADA DO CORCEL VERDE VELHO. E o Fausto é muito foda! Ele é de longe o mais bacana e mais feliz da banda. Quando começou a parte mais pesada da música ele pulou em cima do povo, e foi por cima do teago ainda. E ele começou a berrar e gritar e cantar lá com a gente! E eu amo essa música. Mas ficou ainda melhor porque, já que o Fausto estava ocupado lá embaixo, foram tocar outra, que nem estava no repertório, ÍCARO SOBRE CHAMAS! E isso me deixou feliz pra caralho, que esse som sabe ser foda! Então eu pensei que o show tivesse acabando… Sei lá, já foi música pra cacete. 

Mas eles gostam de matar a gente. VAI VER É ASSIM MESMO foi um hino do meu segundo colegial, eu o Renan passávamos todas as aulas ouvindo e vendo aquelas meninas mais legais com aquele ‘trogloditas mais idiotas que eu conheço’. E isso era uma merda e na verdade ainda é assim. Algumas garotas devem mesmo gostar de caras sem cérebro. Mas, naquele final berrado, ele abaixou de novo o microfone. E gritou com a gente que essa foi a maneira que eu encontrei pra acabar com meu dias! 

E então A VITÓRIA (OU COISA QUE O VALHA) e eu vou jogar aos céus meus braços não olhar mais para trás. Essa música é de revolução, né? Move montanhas. Todo mundo declara o estado eterno de felicidade e isso vira lei. (: Aí foi MOVA! E essa é uma daquelas que te acordam pra vida e te faz querer mudar um pouco as coisas  – por isso tem esse nome. Mas ela é real! E o bate cabeça foi insano. E eu pensei fosse a última, tava com cara de última, o Nenê já tava agradecendo e falando que foi foda pra caralho… Mas, INSÔNIA, e é lindo, de chorar mesmo, de ver a galera cantando! QUE ESSE MUNDO QUE NOS DERAM JÁ NÃO BASTA! E AS CANÇÕES PROIBIDAS SERÃO CANTADAS POR NÓS! E ACORDEM CRIANÇAS, QUE O TEMPO É CURTO DEMAIS! ACORDEM, QUE O MUNDO AINDA NÃO ESCUTA NOSSA VOZ. 

CORREÇÃO. Pra fechar do jeito certo. Pra fazer o melhor bate cabeça. Pra decretar, como uma lei, que este é um dos melhores shows da vida!

E acabou, eu gritei e pedi pro Fausto me dar o set list, e ele me deu. E o teago pegou uma palheta. E foi foda e bonito e simples assim….

 

601760_484604154980355_1695682440_n
Valeu pra caralho! 
Foram uns 5 ou 6 anos de espera, pra ver um dos melhores show’s da minha vida! Pra cantar do início ao fim, cada música e morrer e ficar sem voz e sentir aquela coisa dentro do coração e logo depois sentir o mundo ficar bem! Eu morri nesse show, tenho certeza. Deixei de existir ali. 
Eu e todas as crianças do campo que estavam lá. E pensar que quase não fui. Que quase deixei de viver. A vida é sempre no limite não é? Ou a gente enlouquece, ou vive, ou se perde, ou se tranca em casa. Eu quase fiz todos. E acho até que enlouqueci. Mas agora sobra a vida. E por mais diferente que as coisas fiquem, existe um pedaço que nunca vai mudar. Aquele pedaço dentro de mim que é só teu, como diz a música. 
Agora eu fico mais ansioso pra chegar logo o ‘clandestino’, o livro novo do nenê, que comprei na pré-venda. E percebo mesmo que essa é uma parte de mim que nunca vai partir. Que o ep novo é legal pra cacete. E que a vida é boa! (:

força!

Anúncios


2 Responses to “DANCE OF DAYS”

  1. Pecado é não viver a vida isso sim


  1. 1 RAIMUNDOS | Comerciais de cigarro na TV.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: