como ela sorria

27jan13

ela disse que não teria problema algum.
pelo contrário, eu deveria ligar
e tinha que ser antes da quinta-feira
porque sexta ela vai viajar, algum lugar como rússia
ou sul da bahia.
bem, não lembro muito bem, não faz muita diferença agora.
o importante é que eu liguei
e o pai dela atendeu
ele é mágico nas horas vagas,
mas ficou surdo quando tentou fazer o truque
de tentar tirar uma pomba da orelha.
ele atendeu
gritou que era surdo e que já ia chamar alguém.
até hoje não entendi como ele ouviu o telefone.
mas então ela veio.
disse que sabia que eu iria ligar
– eu sempre ligo mesmo –
e disse que era uma pena,
que ela ia viajar já
o balão partiria daqui 1 hora
e ela não podia se arriscar a viajar com os ventos noturnos
sabemos como eles são perigosos.
então ela disse que até podia ser.
mas que não ia der pra ser agora.
naquela noite choveu o equivalente a 40 dias
e eu nem tinha arca, não que importasse
ela tava num balão.
e eu aqui. olhando pra cima
esperando ela voltar 
lembrei do cinema.
ela acabando de ver ‘cloud atlas’
e eu na fila de ‘mercenários 2’. 
ela acendendo um cigarro e eu derrubando minha pipoca.
ela pisando no meu pé
e eu me apaixonando pelo pedido de desculpas.
tudo resumido aqui.
eu, olhando pra cima, vendo se a chuva resolve colaborar e trazer ela pra mim.
ela, lá em cima, deixando a chuva decidir o que fazer da vida.
ai foi tudo rápido.
como um truque de mágica.
um raio.
um piloto de avião que derramou café com 3 colheres de açúcar na calça.
um urubu de idade mais avançada.
e um balão vermelho.
e ela caindo
caindo
caindo
caindo
como se fosse um anjo
voltando direto pra mim.
e eu nem sabia o que dizer.
ela acendeu um cigarro enquanto caia.
e eu juntei todos os travesseiros da cidade pra que ela não se machucasse.
e ela planou.
como uma borboleta
que vive plenamente suas poucas 24 horas.
24 horas – 80 anos. qual a diferença?
na verdade, só conta mesmo,
os dias em que a gente sorriu pra valer.
assim como ela sorria
enquanto caia, se confundindo entre os pingos da chuva.
vindo certinha pra perto de mim.
caindo no meu travesseiro
prendendo a respiração, achando tudo isso uma péssima ideia
e que com certeza ia dar merda
mas que tava tudo bem,
no depois, a gente pensa depois.
e que eu devia ligar
eu disse que não queria atrapalhar, quando,
na verdade eu já tava apaixonado. e todo atrapalhado.
e ela disse que não.
ela disse que não teria problema algum.

Anúncios


No Responses Yet to “como ela sorria”

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: