Um poema sobre o frio, tentando ser Caetano e cantando depois de te ver

15jul12

Sua respiração fazia fumaça
E eu me recolhia em qualquer cantinho
Tuas mãos tão pequenas, teu perfume tão bom 
‘E eu gosto muito de te ver, leãozinho…’

Não te deixo mais ir embora
Nem que seja pra fugir de mim um pouquinho
Sem artimanhas, não quero seu depois
Quero seu sol chovendo no meu mundinho

E eu quero tanto te ver, minha menina.
pra’gente ver o dia chegar de mansinho
e eu vivo pra te ter, minha menina
a gente sabe que amor é sofrer, um bocadinho.

Anúncios


No Responses Yet to “Um poema sobre o frio, tentando ser Caetano e cantando depois de te ver”

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: