PARALAMAS DO SUCESSO

28out11

É gente, eu fui no show do Paralamas do Sucesso.
E vou te contar: foi foda pra cacete!

– Tudo começou umas 2 semanas atrás.
Eu estava em casa, numa boa, estudando pro enem fortalezadoinfernoquearrumaessaprovaantes quando do nada, chegou uma mensagem no meu celular.
Era da Nathy.

Ela me chamou de poeta – como sempre chama e isso faz meu coração mais feliz – e perguntou se eu gostava de Paralamas, porque ia ter um show lá na cidade dela (são carlos).

(aah, antes tenho que dizer… Eu PRECISO contar sobre a Nathy. Não quero contar como a conheci, isso é outra história, pra outra hora. Na verdade, só pretendo contar daqui uns 60 anos, quando eu estiver bem velho… E as coisas ficarem confusas na minha cabeça. A foto dela vai estar nos jornais e na capa de todas as revistas, então eu vou olhar em volta e dizer pra quem quiser ouvir: olha, eu conheci essa garota um bom tempo atrás… Aí eu conto. E vou dizer que já sabia que ela teria o mundo todo, porque na verdade, sempre foi tudo sobre ela…)

Continuando…

Na mesma hora eu entrei na internet e vi tudo sobre o show. Minha mãe estava junto. E ela falou assim: vamos.
Ok.
Já estava tudo absolutamente certo.
Não importa como, mais a gente ia…

“Uma noite longa
Pra uma vida curta
Mas já não me importa
Basta poder te ajudar

E são tantas marcas
Que já fazem parte
Do que eu sou agora
Mas ainda sei me virar”

Os dias correram.
Bem rápido na verdade.
E no começo da semana a gente comprou as passagens.
O esquema era assim:  a gente ia pra são carlos com o ônibus do Chiquinho. Lá no show encontraríamos a minha prima Aline linda s2. Passaríamos a noite na casa dela. No outro dia cedo o Alfredo tinha uns exames e voltaríamos pra casa.
Era bem simples na verdade.
Acho que os dias mais legais de nossa vida, começam como se fosse mais um dia comum.
É, foi assim minha quinta.
Fui na academia, dei uma morrida por lá.
E voltei.

Às 18 horas subimos na rodoviária.
O Arilson tava por lá, o Teago, uma galera que fazia tempo que eu não via.
E nessa hora começou meu primeiro momento reflexivo, que foi mais ou menos assim: cacete, como o tempo passa!
E passa mesmo, rápido demais!

Enfim. Logo entrei no busão (eu acho muito feio falar busão, odeio diminutivos toscos de palavras como ‘niver’).
E mandava mensagens pra Nathy.
Dizendo que logo estaria lá.
Ela ia pro inglês ainda e só chegaria no show as 20 horas.
Tudo bem, tudo certo.

Eu tava nervoso pra caramba!

O motorista nos deixou ali perto do show, logo no mercadão mesmo. Então eu já corri, parei embaixo do palco e tive uma certeza: ninguém me tira daqui.
Logo começou a lotar, muita, muita gente mesmo.
E minha prima e minha tia chegaram.
Maas, estávamos no meio do povo e era difícil nos achar, então eu falei pro Alfredo: diz pra elas que vou erguer a mão.
E ergui. O máximo que eu pude!
Logo aparece a Aline.
Por algum motivo meu plano deu certo.

Então estavamos ali.
Pertinho do microfone do Herbert.

Eu hoje joguei tanta coisa fora
E lendo teus bilhetes, eu lembro do que fiz
Cartas e fotografias gente que foi embora
A casa fica bem melhor assim

Daí veio a mensagem da Nathy: cheguei.
E na hora apagaram as luzes.
Eu respondi: vou erguer a mão com o celular…

E me esforcei, quase pude alcançar os céus. Juro que foi assim.
E entre o desespero de ela conseguir me achar, logo vejo seu rosto.

– Há 4 anos atrás era ela linda.

– Há 2 anos atrás ela estava ainda mais linda.

– E ontem.. Meu Deus! *-*

Ela me trouxe um presente, uma caneca linda! =D
E eu dei um livro pra ela.
“A INVENÇÃO DE HUGO CABRET”

E então eles anunciam, como se tudo tivesse a hora certa de acontecer.
Era hora do show!

A vida não é filme, você não entendeu
Ninguém foi ao seu quarto quando escureceu
Sabendo o que passava no seu coração
Se o que você fazia era certo ou não
E a mocinha se perdeu olhando o Sol se por
Que final romântico, morrer de amor
Relembrando na janela tudo que viveu
Fingindo não ver os erros que cometeu

Primeiro entra o Herbert, sendo empurrado na cadeira. E você pensa que a vida é bem ingrata de vez em quando.
E eles não dizem nada. Cada um assume seu lugar…
E da-lhe música!
Começaram com 2 que eu não sabia cantar… Mas eu não conseguia parar de gritar junto!

E então tocaram, o que eu chamo de momento Dany B (cliquem no nome dela que vai aparecer um blog lindo, do qual eu farei pequenas participações especiais), porque eu lembrei dela.
Era aquela música, sabe?
ELA DISSE ADEUS.
No meio daquele monte de gente, o refrão ecoava e eu ouvia a música e pensava: ela disse adeus, mas tá tudo certo…

Depois ele embalou direto em ÓCULOS.
E deixa eu contar: O Herbert é a pessoa mais bonita do mundo.
Falo sério.
A música canta: ‘Por que você não olha pra mim?  Me diz o que eu tenho de mal. Por que você não olha pra mim? Por trás dessa lente também bate um coração’.

Mas no último refrão, na última vez, ele abre os braços, fecha os olhos e diz: em cima dessas rodas também bate um coração.

E você sorri. Você chora. Se arrepia. Grita. Pula.

meu celular é uma droga, eu sei.

Sente alguma coisa que ainda não tem nome.
Pensa em tudo que já passou em sua vida. Tudo ao mesmo tempo.
E no fim você pensa: como o Herbert é incrível!
Porque vou dizer, ele é mesmo!

E o que mais?

Bom, tocaram MEU ERRO. E o Herber nem precisava cantar, o povo berrava junto.
E depois, acho que foi um dos melhores momentos pra mim.
Apagaram as luzes.
E começou só o teclado…
Bem bonito…

E ele cantou LANTERNA DOS AFOGADOS.
Eu não sabia o que fazer. Queria gritar. Queria fazer tanta coisa.
Porque é lindo.
O povo todo cantando com o coração.
E o solo destruidor…

Ah, por falar em solo.
Entendi porque o João Barone ganhou o prêmio multishow de melhor instrumentista. Foi o prêmio mais merecido da noite…
Ele solava naquela bateria de um jeito que eu nunca vi!
E nessa hora eu entendi que os anos tinham feito bem pra eles, que eles já tinham passado daquela fase de bandinha do momento. Na verdade, eles eram pra sempre e isso já tava mais que certo.

o povo pedindo Vital

E o que mais?
Teve 2 cover’s do Tim Maia. Teve A NOVIDADE, em que o Herbert apresentou assim: anos atrás, eu tive a honra de compor essa música com o Gil!

E tocaram LOURINHA BOMBRIL, AONDE QUER QUE EU VÁ, ALAGADOS

E logo falaram que o show tava acabando. Mas deixa eu voltar um pouco e contar: a Nathy me fez rir o show inteiro. E quando eles tocaram ‘sou feliz agora, não. Não vá embora’ do Tim Maia. Eu olhei pra ela e pensei pela primeira vez em muito tempo: caramba, eu sou feliz mesmo!
E  olha, não tive dúvida alguma!

Então, quando eles terminaram o show, ela foi embora também, precisava pegar ônibus. Ah, e ela me disse que não conhecia muitas músicas, daí eu me toquei: ela realmente estava ali por mim. Pra me ver. E eu sei que você tá lendo isso agora, então: OBRIGADO NATHY. VOCÊ É UMA LINDA.

Maas, o Paralamas voltou.
Voltou destruindo. Tocando SONÍFERA ILHA. E já emendou em SKA.
E então terminou de vez, tocando VITAL E SUA MOTO.

E fim.

Eu estava rouco e feliz.
Feliz pra cacete.

Daí a gente foi embora.
E vimos que devia mesmo ter umas 30 mil pessoas por ali.
Então a gente andou pela rua e São Carlos é linda.
Pegamos o ônibus e eu morri de vontade de falar com alguém. Então eu mandei uma mensagem pra Larissa. E a noite continuou em paz até a hora de dormir.

De manhã cedo passamos no médico e as 14 horas eu tava aqui em casa.
E agora to aqui escrevendo pra vocês!

Na verdade, tudo é uma grande desculpa pra dizer: a vida é bonita.
Eu digo faz tempo, mas agora eu tenho certeza que nunca foi tão verdade!

meu celular é uma droga pt. 2

E esse post termina agora.
Mas não é fim.

Porque dia 12 tem Rancore na estação.
E quem quiser ir, só falar comigo.
E depois, dia 17, tem o Marcelo Camelo no Sesc e eu vou pra cantar, chorar e sorrir. Porque é assim que a vida é.

Sabe, o coração continuar a bater.
E é muito lindo!
E como a Dany B disse numa mensagem pra mim:
Sua quinta-feira está bonita!

E eu não sabia na hora, mas aquilo era uma certeza. (:

Anúncios


One Response to “PARALAMAS DO SUCESSO”

  1. *-* ahhhh poeta! Tive uma quinta-feira maravilhosa também! E quando eu te vi não me veio outra coisa na cabeça: puts, meu poeta… aqui! E só soube te abraçar.
    Queria ter ficado mais, ainda que sentindo o cheiro terrível do tiozinho que tinha os artefatos de latinha e ainda que incomodando com a minha bolsa inconveniente o carinha desanimado! hahhahaa
    E, ahh, é lindo ver seus olhos brilharem, sabia?
    E o livro… MEU DEUS! Quando eu vi o rosto expressivo do Hugo C. uma lágrima de emoção rolou sobre meu rosto. É lindo e é tão lindo que eu quis mostrar pra todo mundo.
    Obrigada pela presença, pela presença quinta, pela presença nas palavras, pela presença há 4 anos.
    Que venha dia 12!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: