Archive for março, 2011

Pessoas. É como numa estação de trem. Algumas passam correndo ao seu lado, algumas ficam pra sempre. Outras sentam pra tomar um café e logo depois partem. Boa parte delas a gente nunca vai nem lembrar o nome, pois estão ocupadas demais pra se quer olhar pro lado, então a gente só assiste passar. Tem […]


Oi, eu sou o Dan. Primeiro eu quero agradecer à todos que por algum motivo visitam aqui. Eu juro que não entendo. Antes eu postava todos os dias e quase não vinham nem 30 pessoas, hoje em dia eu posto pouquissimo e chega a vir mais ou menos 70 todos os dias. Obrigado, eu amo vocês. […]


Outro café, por favor. Puro? Não, com áçucar, um pouco só. Áçucar? Sim, com áçucar e com amor. Outro conto, de outra noite sem fim. Madrugada, os olhos se negando a fechar. A cabeça se negando a acalmar. O que ela teria dito se me visse assim? As ruas apagam com os passos, o passado […]


Daqui a pouco ele vai chegar e eu estou aqui, plantada no mesmo lugar. Ele vai abrir a porta devagar, vai olhar pra mim e vou ver aquele sorriso. Ele vai perguntar porque eu tô acordada até essa hora e eu vou mentir. Mentir, mentir, mentir, mentir, mentir. Minha mãe dizia, que se eu começasse […]


Adam mora no 304. Terceiro andar, na quarta porta à direita se contar do elevador. Ele acorda todo dia cedo, arruma sua cama, troca de roupa e toma um solitário café da manhã, enquanto deixa a televisão ligada nos desenhos. Acha que talvez assim volte a ser menino um dia. Mas hoje é sabado! E todo sabado […]


Ela estava aqui. Me deu um tapa na cara, me mandou calar a boca. Falou que eu podia morrer. E eu tentei morrer então. Tentei morrer todas as vezes que ela mandou. Mas ela ainda estava aqui. Sempre voltava. Como todas, que sempre voltam. Dizia que não queria mais me ver. Queria poder sentir isso […]


Sabe, não tinha nada. Nem janela, nem porta. No fundo só a voz do Camelo dizendo que todo carnaval tem seu fim. Primeiro eu penso ‘graças a Deus, são 4 dias longos demais’. Mas e ai? Me sinto um inutil por pensar assim. Por ainda não ter aprendido à abrir os braços o máximo que […]