Sobre Beirut, peças, hallowen e porra nenhuma

14fev11

E eu não quis dizer mais nada. Lembro das músicas, que já falaram muito sobre isso, então me pergunto sobre o que escrever. Claro, tudo sempre vai soar demasiadamente repetitivo e eu sei que vai parecer hipocrisia se eu der de ombros e dizer que já sabia. Mas é assim mesmo, relaxa.

Sempre quando eu escrevo assim, eu acabo imaginando que é um monólogo. Que agora eu tô no palco e essa é minha hora de dizer as coisas legais. É meu Gran Finale! E se eu for morrer daqui a pouco, essas palavras tem que tocar as pessoas de alguma forma. Então, talvez eu deva começar o melhor de minha interpretação falha.
Vamos começar por uma história, aquela do menino que via a vida passar através da janela. Essa é uma que eu nem escrevi ainda, mas tá aqui, em algum lugar. Então posso falar sobre o relógio acelerado pra trás, ou sobre ser um idiota-super-herói. Não faz diferença. Entende? Acho que não. Deixa eu ver… A história não faz diferença, contanto que realmente exista alguma história. O importante é ter do que lembrar antes de dormir.

Por isso conto histórias. Pra ter no que pensar. Gosto de brincar disso. E tenho essa mania, sabe? De imaginar trilha sonora pras coisas. Tipo agora. Que música estaria tocando? Talvez, se eu realmente estivesse no teatro, eu colocaria algo tipo Beirut. Um instrumental bonito, numa melodia triste, numa letra muito boa. É uma boa música pra um gran finale.
Mas eu esqueço que essa peça é longa pra caralho. Então Beirut só pontua o agora. E eu vou cortar de novo o meu cabelo pra fingir que eu sou uma fada! Talvez se eu não fosse tão tolo…

Alguém disse que a vida é uma grande peça teatro e eu tenho que fazer as coisas pra ganhar aplausos. Um grande fuck pra essa pessoa. Eu quero levar a vida do meu modo. Quero chorar quando quiser e ficar realmente bom em fracassos. E deixar o coração bater todas as vezes, mais rápido, sim.
E eu sou mesmo um grande hipócrita, eu vou mentir olhando no seu olho, eu vou dizer que não esperava isso de você. Vou correr por entre as pessoas e fazer travessuras no dia de hallowen, vou fazer um hallowen no dia de natal. E cada dia que passar, vai ser um sorriso a mais que eu vou deixar no seu rosto.

O que você reviveria se tivesse outra chance? Qual época? Qual dia? Qual momento? Aposto, que esse provavelmente, é o mesmo momento que você apagaria pra sempre, se pudesse.

E cada pessoa que ler isso agora, vai pensar que é pra alguém e todo mundo (eu sei) vai estar redondamente enganado.
Eu sou um espelho. E o que você entendeu de toda essa merda, é exatamente o que você tá sentindo agora.

Anúncios


One Response to “Sobre Beirut, peças, hallowen e porra nenhuma”

  1. 1 anaspera

    Amo essa arte.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: