Archive for janeiro, 2011

09:12 da manhã. Meu irmão saindo com o carro. Sair daqui. É uma idéia atraente. Mas eu fico, eu fico aqui pra escutar. Consegue ouvir também? Ou está longe demais de você? O telefone mudo, ainda marcado com as coisas ditas. Talvez se alguém avisasse que palavras machucam tanto. Se eu soubesse como agir eu deixaria […]


– Essa é a história do Bobby, o garoto que fazia chover… O senhorzinho respirou fundo e se preparou para contar a mesma história que já havia contado tantas vezes para as pessoas que passavam por ali. Hoje era um grupo de adolescentes. ‘Jovens e irritantes’ ele pensava, ‘como eu já fui um dia’. Ele […]


(ignore II)

25jan11

Ontem eu chorei. Deitei na cama, fechei os olhos e chorei. Não de tristeza. Por nenhum motivo eu acho. Só chorei. É ruim admitir. Mas é bom, sabe. Chorei por todas as coisas eu acho. Pelos momentos bons, pelos ruins, pelos dias que talvez não voltem, por tudo que eu sei que esta por vir. […]


(Ignore)

24jan11

Você lembra não é? Como se fosse impossível esquecer, sei bem como é. Não dormir. A noite vem e vai, você pode contar os minutos nos dedos. E pede pra conseguir dormir um pouco, você reza, você chora e no fundo só quer dormir um pouco, porque dormindo você se impede de pensar. Mas não […]


Céu Azul

21jan11

Depois de muito tempo, um primeiro céu azul. Quando ela acordou se permitiu ficar uns segundos ali, só olhando. Sabia que tava olhando pro céu mas que na verdade, sua cabeça estava em outro lugar. Onde sempre esteve nos últimos dias. Ela já havia conversado com Deus sobre isso. Ele era muito injusto por ter […]


Bom dia. Aqui é o Dan. Aviso que esse post tá meio grande. ahushuahsua E, eu tava pensando. Acho que vou parar um pouco com esses post’s de quarta. Não sei, vocês parecem enjoados de ler (ou, eu de escrever). rs’ Sei lá, talvez eu só faça com menos frequência e sem rotina. Entende? Bem, […]


Idéia tosca, pra letra de música. Ignorem. — Ela falou que não suportaria. Outra dança, outra noite. E há muito tempo ela já estava fora de si. Talvez um outro oi, outra palavra. Ela sabia que nunca seria diferente. E sabia que já estava fora de sua cabeça. “E se tudo pudesse ser pra sempre […]