Lunáticos amontoados e sozinhos por aqui.

06ago10

O ano era 2147. E essa é a história de Abelardo III. Sobre o dia em que eu o conheci. Para vocês entenderem a situação toda de Abelardo III, antes preciso dizer que no ano exato de 2052 o planeta Terra foi tido como completamente inabitável. Árvores não cresciam, pessoas e animais morriam e segundo os músicos mais liberais daquela época, ‘a Terra já estava muito chata mesmo’.
Então os cientistas fizeram aquilo que eles sabem fazer de melhor, juntaram um monte de idéias que pareciam boas e fizeram a pior de todas. E assim começou a expedição ‘colonizando a lua’.

Os cientistas arrumaram um jeito de existir vida e 300 pessoas seriam enviadas na lua, para começar os testes. O líder da expedição era Abelardo I. O avô de Abelardo III.
Abelardo I levou sua familia e todos os 300 escolhidos até a lua e chegando lá, descobriram que a Terra teve alguns problemas com guerra e falta de água e que por algum motivo, toda a população estava dizimada.
Então, o futuro da Terra estava ali, no alto da lua.

Abelardo III surgiu uns anos depois, foi o primeiro ser humano a nascer na lua. Tanto que o chamavam de lunático. Ele era diferente dos outros. Passou sua infância toda brincando com o dragão de São Jorge, que ninguém mais conseguia ver. E quando fez 15 anos, já aparentava ter 50. Estudos mostraram que ele não iria viver mais de 30 anos…
Enquanto isso, São Jorge lhe ensinava coisas sobre a vida e o amor. Contava uma história louca de que se acreditava que todo ser humano tinha uma alma gemêa. Mas que as vezes demorava um tempo para encontrar.
Quando Abelardo III fez 20 anos, entendeu que não podia mais esperar e sem contar a ninguem, a não ser para o dragão, ele fugiu.
Estava cansado de ser sozinho e sempre chamado de louco. Devia existir algum lugar!

E assim Abelardo III começou sua viagem. Rodava todos os planetas que podia e sempre dizia para si mesmo, ‘ela vai estar no proximo’. Rodou este e outros universos movido por uma coisa que todas as pessoas na lua, há tempos já tinham esquecido. E depois de um tempo, até deixaram de acreditar em seu retorno.

Assim eu o conheci, com 27 anos, já sendo destruido pelo tempo, Abelardo III veio até aqui, na Terra. Ele ficou surpreso comigo, achou que não encontraria ninguém ali. Tempos depois eu pensei muito sobre isso e ele só foi até ali, para morrer como um humano e se sentir normal. Pelo menos uma vez.
Ele desceu da nave, eu me apresentei com ‘homem
velho demais pra ele compreender’ e ele aceitou. E então me contou toda a história, falou que se sentia sozinho e que estava cansado de não ter seu lugar. Porque ele era o homem mais diferente de todo o universo.
A gente comeu umas bolachas e eu falei que morrer ali não era uma boa idéia. Ele perguntou porque e eu falei que ali não era sua casa. Ele era um lunático, claro. E falei que ele não devia desistir de achar alguém.
Ele foi embora, acho que ficou chateado porque não o deixei morrer ali. Mas sabem, eu sempre sei o que digo…

Abelardo III voltou pra lua e encontro a coisa mais triste e ao mesmo tempo incrivel que ele jamais poderia ter encontrado. Ela chamava Sophia. Era outra lunática. Nasceu 1 ano depois que ele partiu. Mas ela ainda era mais lunática. Ela tinha apenas 6 anos e aparentava estar tão no fim da vida quanto ele.
Quando eles se encontraram, ela apenas disse: ‘eu sabia que você chegaria’.

Mas eles iriam morrer e isso sempre é inevitável. Então ele descobriu que ali na lua não era seu lugar. Nem o dela.
Então eles fugiram, para se perderem entre as estrelas, que passavam tão rápido diante dos olhos. Como suas vidas. E Abelardo III talvez tenha entendido que toda a procura pelo universo todo, foi besteira. Ela estava exatamente ali.

Agora, fazem parte das estrelas. Novos lunáticos nasceram e São Jorge conta a todos essa história. Eles ainda vivem pouco, mas compreenderam que de verdade, vivem pelo amor. E estão felizes assim, pois não há tempo para perder. Seria bom se tivessem notado isso na Terra. Seria bom, mas tudo bem, as estrelas sempre estão lá para lembrar.

Anúncios


2 Responses to “Lunáticos amontoados e sozinhos por aqui.”

  1. 1 nathy

    Sua modéstia te faz não gostar do que você escreve. Eu acho, sinceramente, que isso é só uma excentricidade de poeta… porque eu gostei muito de ler o que escreveu!
    .-.
    (e seus personagens têm nomes tão lindos …)

  2. 2 Suúh

    Adorei


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: